19 de setembro de 2008

Esqueça os laptops para sala de aula II



É triste ver seu potencial tema de mestrado perder força e relevancia. Uma reportagem do New York Times mostra que a tentativa de melhorar a aprendizagem dos estudantes de ensino médio (nos EUA) através do uso de laptops foi em vão.

“After seven years, there was literally no evidence it had any impact on student achievement — none,” said Mark Lawson, the school board president here in Liverpool, one of the first districts in New York State to experiment with putting technology directly into students’ hands


Outros diretores de escola dizem que não houve impacto positivo na qualidade dos trabalhos apresentados pelos estudantes que tinham os equipamentos. Não houve também integração das atividades com o laptop e as demais presentes nos cursos. Aparentemente os alunos utilizam o equipamento mais para trocar informações sobre provas, acessar pornografia e atualizar seus perfis em redes sociais tais como Facebook e MySpace.

Outro fato constatado foi que gasta-se mais com a manutenção dos laptops do que com programas de preparação de professores para integração dos equipamentos ao currículo de ensino. Despreparados, os professores têm de improvisar essa integração, cada um a sua maneira.

Tudo isso nos EUA, que tem dinheiro, aplicação e seriedade nesse assunto. Como seria aqui no Brasil. Nicholas Negroponte, pai do OLPC, defende que nos países pobres as crianças zelam muito mais pelos seus equipamentos, e vêem neles a chance de conhecer o mundo através da Internet. Tudo bem, vamos ver se isso se mantém no longo prazo.

Mas minha preocupação (e tema de pesquisa) está na forma como o professor integra o uso do equipamento à sua didática em sala de aula e ao currículo. Será que a teoria de Negroponte sobre o zêlo dos alunos pelos equipamentos se confirma aqui no Brasil? Será que os professores vêem valor nos laptops? E o alunado Brasileiro, será que vai deixar Orkut e MSN Messenger de lado para focar, nem que seja por algumas horas, em seus estudos?

Vamos ter que pesquisar.

Nenhum comentário: