5 de junho de 2009

Sobre grandes livros grandes


Acabei de voltar do almoço, mais um daqueles que não tenho companhia a não ser um bom livro que folheio sem compromisso entre uma garfada e outra.

Dessa vez aconteceu algo curioso! Meu livro era um daqueles técnicos com mais de 500 páginas e que sempre chama atenção por causa do tamanho. Principalmente do garçom que acabou puxando conversa: "Que livrão, hein?". Respondi: "Pois é, e pior que a gente precisa ler mais de um desses para começar a entender o assunto."

Pensei que a conversa fosse terminar ai, mas não. O garçom engatou a dizer que o único livro de volume que havia lido era a bíblia católica, e que não imaginava que existissem livros tão grandes sobre quaisquer outros assuntos. Por um segundo senti que estava numa cena de filme entre o período das trevas e o iluminismo. Disse a ele que hoje em dia é muito comum encontrar livros grandes sobre leis, medicina, informática, e até mesmo "romances".

Contei que muitos livros de informática são tão grandes que recebem o nome de "bíblias", do tipo "a bíblia do Photoshop" e coisas assim. Hoje existem "bíblias" para qualquer assunto, não somente para religião.

Pausa para um silêncio mortal.

- "O senhor quer mais alguma coisa?", perguntou o garçom já retirando os pratos.
- "Não, obrigado!"

Um comentário:

Marcelo Galvani disse...

Mal sabe ele que a palavra bíblia significa livro, nada mais...

Abs
Marcelo